ODEON: depois da Última Sessão

Mais de 20 anos após o fecho do Cinema Odeon, Artur Martins, o último projecionista da casa, continua a ir para lá, todos os dias. Porquê?

Episódio 13 – ODEON: depois da Última Sessão
|Produção e apresentação: Marco António 
|Tema oficial: Fado do SonhoPensão Flor
|Música adicional: Lee Rosevere| Orquestra Popular de Paio Pires |Ennio Morricone Ike Turner | Vincent Lopez | Alex Puddu
|A versão deste episódio em Inglês pode ser ouvida emStories of Saudade” (com apresentação de Lucy Pepper)

= = =

O site oficial da Câmara Municipal de Lisboa descreve assim o antigo Cinema Odeon:

«Localizado na Rua dos Condes, eixo nobre da cidade, o Cinema Odeon foi projectado em 1923 e edificado pelo construtor Guilherme A. Soares, tendo a sua inauguração ocorrido em 21 de Setembro de 1927, com “A Viúva Alegre”, de Stroheim. Integrado no Conjunto da Avenida da Liberdade e Zona Envolvente, que está em vias de classificação, este edifício de estilo clássico foi objecto de modernização em 1931, com a introdução de galerias metálicas salientes da fachada, muito expressivas e decorativas, com os seus rendilhados de vidros coloridos. O estilo clássico do edifício ainda se reconhece no piso superior, em particular na esquina com a Rua das Portas de Santo Antão. Se na sua fachada merece especial destaque o janelão que ocupa dois andares, sobre balcão semi-circular, assente em métopas que enquadram o nome Odeon, o seu interior notabiliza-se pela grande cobertura em madeira escura, pelo palco de frontão “Art Déco”, pelos sumptuosos e volumosos camarotes e pelo lustre central, que irradia néons.»

Foto: Arquivo Municipal de Lisboa

 

[Imagens recolhidas em restosdecoleccao.blogspot.pt]

O Cinema Odeon fechou as portas há mais de vinte anos. Ou, melhor, fechou quase todas as portas (deixou de ser uma casa de espetáculos). Todas as manhãs uma única e pequena porta é aberta, e aberta fica até ao fim da tarde. É a porta do antigo restaurante do edifício, também encerrado há décadas, aberta todos os dias por Artur Martins, o último projecionista do Odeon, que ali começou a trabalhar em 1952 (com 12 anos de idade). Tem agora 77 anos.

Neste episódio, Artur Martins conta a história da sua vida e da ligação de mais de 60 anos ao Cinema Odeon. Uma vida inteira carregada de histórias da vida real e, claro, dos filmes também. Desde o primeiro trabalho que teve no Odeon, ainda em criança, até ao que ainda lá faz nos dias de hoje, passando pela estreia como projecionista nos “anos de ouro” do cinema projetado e pela inevitável decadência das casas de espetáculo nos anos 80 e 90, pelos filmes mais marcantes (um deles até  ditou uma mudança na vida dele) que Artur viu e projetou, pelas memórias felizes e o desgosto por ter sido forçado a deixar de fazer aquilo de que mais gosta.

O Cinema Odeon fechou no início da década de 90, de forma surpreendentemente decadente, para o prestígio que a casa teve durante quase toda a sua existência.

Tivemos acesso a este conjunto de imagens que mostram o estado em que o Odeon se encontra. A beleza do espaço – apesar do abandono e da degradação – é ainda bem evidente. E surpreendente.

Em 2016 realizou-se um “Guerilla Dinner” no interior do Cinema Odeon.

Foi a última vez que as portas da sala se abriram ao público. Quanto ao futuro do Odeon, poderá passar pela reconversão num restaurante e também em apartamentos de luxo – é essa a informação que é divulgada no site oficial da Odeon Properties, atual detentora do espaço.

Imagem: Odeon Properties

 

–  –  –

PUB

Este programa contou com o apoio da

Dacia Portugal

e do

Cowork Central

–  –  –